Newsletter
 

 
Biografia / Discografia
Nome: Electronic
Ano: 1989
País: Inglaterra

Não é a toa que essa incrível dupla dispontou com sucessos mundo afora, afinal de contas, estamos falando de: Bernard Sumner (vocalista do New Order) e Johny Marr (guitarrista do Smiths).

Os dois se conheceram em 1984 quando Mike Pickering, Dj e produtor na cidade de Manchester, convidou Marr para participar do lançamento de um single que estava produzindo, onde ocasionalmente Bernard Sumner foi convidado como co-produtor.

Ocasião perfeita para descobrirem que Marr e Bernard tinham tantas afinidades musicais em comum.

Johnny Marr: "Nós não nos conheciamos muito bem socialmente naquela época, somente de passagem, como um monte de músicos em Manchester. Eu me lembro na época ele estava surpreso que eu tinha um conhecimento da música de dança de Nova Iorque e eu surpreso que ele sabia sobre os primeiros singles dos Rolling Stones."

Após isso, Marr e Sumner se encontraram novamente em 87 onde o New Order havia acabado de fazer uma turnê exaustiva na América para divulgar o álbum Substance que acabara de ser lançado.

O New Order nessa época iria tirar umas “férias”, ou seja, dar um tempo até o começo da produção de um novo trabalho. E Bernard nessa época estava planejando produzir um álbum solo, queria que Johnny contribuísse com seus conhecimentos de guitarra em algums faixas, mas um grande entusiasmo pela música electrônica de dança logo se tornou o impulso para Marr fazer uma grande parceria com Bernanard e assim iniciar um novo projeto juntos.

Johnny Marr: “Nós fomos movidos por essa idéia de ser um grupo novo e com novas fronteiras”.

Bernard Sumner: "A idéia era chegar a um novo tipo de grupo com dois integrantes que permaneceriam os mesmos e, um ou dois membros que mudariam constantemente, de modo a obter uma composição química diferente com cada álbum." Assim começaram a trabalhar juntos no álbum "Electronic".

Essa parceria de Bernard fora do New Order provocou mal estar com alguns integrantes do grupo, especialmente com Peter Hook, que desde a época do falecimento de Ian Curtis tinha uma certa rincha com Bernard Sumner para ser o vocalista e lider da banda.

Peter Hook resolveu também lançar um projeto solo com o nome “Revenge” (que significa vingança), e chamou Johny Marr para participar. Mas ele recusou o convite alegando que estava com uma parceria com Bernard. Hook passou então a menosprezá-lo pela imprensa dizendo que seu trabalho era fraco e ruim.

Independente dos ataques de Hook, a imprensa britânica continuava mais do que nunca aclamando e elogiando o dueto que era proveniente de duas das melhores bandas de Manchester.

Mas a dupla estava com um ritmo lento em seus trabalhos e a impresa começou a ficar cansada de falar deles e não obter um retorno se quer, então passaram dizer que o Electronic era uma “brincadeira de riquinhos”. Porém os dois já haviam dito em entrevistas que não queriam sofrer pressões como em seus grupos anteriores e que o Electronic era um projeto sem pretensões e previsões financeiras, era algo para ser levado sem pressões e preocupações. As músicas eram para serem produzidas na hora certa e não apenas por pressão.

Depois de 2 anos, em 1989, o dueto tem a magnífica idéia de convidar o vocalista do Pet Shop Boys, Neil Tennant, para cantar a faixa "Getting Away With It", que foi lançada em single antes do álbum, vendendo cerca de um quarto de um milhão de cópias. A música esteve no topo das paradas tendo incrível destaque nos Estados Unidos.

O companheiro de Neil, Chris Lowe, também é convidado, mas para participar da faixa “The Patience of a Saint”, que acabou sendo a primeira faixa do disco a ficar pronta.

Antes do lançamento do álbum os dois ainda lançaram o single, "Get a Message", que teve também excelente repercussão atingindo o Top 10 britânico.

No ano seguinte, em 91, o álbum finalmente ficou pronto e intitularizado com o nome da banda, “Electronic”. A bateria deste excelente disco contou também com uma “pequena” participação de David Palmer da banda ABC.

Depois de vários shows e turnês, foi a vez também de abrirem um show para o Depeche Mode.

Passados quase dois anos do lançamento do álbum, "Electronic", o dueto grava um de seus principais singles: “Disapointed”, que contou de novo com Neil Tennant no comando dos vocais.

Essa música na verdade foi gravada para a trilha sonora do filme “Cool Worl” (Mundo Proibido).

Bernard voltou a se concentrar nas novas gravações com o New Order, mas afirmou que a parceria com Marr ainda não havia se encerrado definitivamente.

Em 1996 os dois se reuniram novamente e gravaram o álbum “Raise The Pressure”. Este álbum teve uma participação muito especial para Bernard, alguém de quem ele era fã desde o seu comecinho no New Order....nada mais nada menos que Karl Bartos, percussionista e compositor do Kraftwerk.. Parecia tudo perfeito, mas infelizmente o álbum não obteve o mesmo sucesso de seu antecessor, nem mesmo single das músicas dele foi lançado.

Mesmo asism Marr e Sumner resolvem continuar com suas produções e convidam os baixistas Jimi Goodwin Doves e Black Grape, além do baterista Jed Lynch, e juntos eles fazem o “Twisted Tenderness”, o terceiro álbum do Electronic.

O álbum não fez o retorno do grupo aos seus níveis de popularidade início dos anos noventa, mas foi bem recebido pela crítica, superando o fraco desempenho do "Raise The Pressure".

Após esse período, nem Bernard e nem Marr oficializaram a dissolução formal da banda, apesar de ambos terem se transferido para outros projetos.

Contudo, em 2003 Marr afirmou que a banda tinha chegado "a sua conclusão natural".

Bernard fez novas gravações com o New Order e posteriormente formou uma nova banda, “ Bad Lieutenant”, e Marr fez alguns trabalhos com as bandas The Cribs, Modest Mouse e ainda com o Pet Shop Boys.


Por: Márcio Zero - 22/03/2011




Electronic
(1991)



Raise The Pressure
(1996)


Twisted Tenderness
(1999)